Ler Ferreira de Castro 40 Anos Depois

Ler Ferreira de Castro 40 Anos Depois
Mais informações: www.cm-sintra.pt

31.12.12


O Ditador (2012)

Sacha Baron Cohen tem, como poucos, gerido a sua visibilidade enquanto celebridade, sendo visto apenas pontualmente nalgumas entregas de prémios, se nomeado. Dai que a sua imagem esteja sempre associada aos irónicos e estereotipados personagens que representa (Ali G, Borat, Bruno).
Desta feita, representa um ditador de um fictício pais árabe, que, na sequência de uma tentativa de assassinato, se vê perdido em Nova Iorque destituído de qualquer elemento identitário e tenta ainda assim retomar o poder. Pelo meio ficam críticas explicitas ao modo como lidamos com esterotipos, o desconhecimento que possuímos sobre determinadas culturas e regiões, o papeis sociais e as grandes instituições internacionais, que supostamente regulam ou medeiam os grandes estados e os seus interesses.

Título original: The Dictator * Realização: Larry Charles * Argumento: Sacha Baron Cohen e Alec Berg * Elenco: Sacha Baron Cohen, Anna Faris e Ben Kingsley

30.12.12


Se isto é um homem, Primo Levi


Por onde começar um registo da leitura deste livro que certamente ficará na memória até ao resto dos meus dias? Talvez explica-lo explicará o seu impacto.
Se isto é um homem é o relato do autor italiano Primo Levi da sua experiência no campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, desde a sua captura no final de 1943 até à sua libertação no final de Janeiro de 1945. O seu regresso a Itália será posteriormente retratado no livro A Queda, a cuja leitura me dedicarei certamente ainda este ano.
Este não é então um livro ficcional. No entanto, a veracidade do seu relato parece ficar sempre aquém da realidade, mas como o autor explica: seria necessária uma nova linguagem para explicar o que o homem teve coragem de fazer ao homem naquele local (e de certo em muito outros).
Além da descrição do funcionamento de vários aspectos de Auschwitz-Birkenau, o mérito deste relato chocante é instigar-nos à reflexão. Sem procurar emitir juízos, leva-nos a ponderar as circunstâncias das nossas acções, sobretudo quando essas são situações extremas. Noções e valores como bem/mal, justiça/injustiça, identidade (nome, possessões), sanidade, sobrevivência (fome, sede, fadiga extrema), humanidade/animalidade, liberdade e silêncio são pois apresentadas e explicadas, mas nunca julgadas, pois ninguém pode julgar sem passar pela mesma experiência.
Ler atentamente este relato faz-nos relativizar acontecimentos da nossa vida. Lê-lo em período de festas natalícias faz-nos ponderar os excessos. Lê-lo tem um impacto indelével cuja repercussão não posso ainda determinar. Lê-lo obriga-nos a olhar para o nosso íntimo. Lê-lo deveria ser obrigatório, pois o seu registo de aniquilação e morte é uma lição de vida.

29.12.12


Todas as nossas preocupações são válidas, mas questiono-me frequentemente sobre o peso das preocupações dos homens ao redor dos tempos e do mundo. Entre termos de abdicar de luxos e bens de consumo e ter de racionar comida ou não saber sequer quando será a próxima, há uma grande distância. Apesar dos contratempos, sou ainda uma privilegiada: tenho um tecto, comida na mesa, um trabalho que gosto, um hobbie cansativo mas compensador, acesso a informação e possibilidade de escolher (errado). Tomara todos!

28.12.12


As crianças em Auschwitz

The fate of child and youth prisoners was no different in principle from that of adults (with the exception of the children in the family camps). Just like adults, they suffered from hunger and cold, were used as laborers, and were punished, put to death, and used as subjects in criminal experiments by SS doctors.

At the end of 1943, separate barracks were set up for children above the age of 2. These did not differ in any way from the barracks assigned to adults. The camp authorities did not even distribute milk or appropriate food rations for infants, thus sentencing them to starve to death. Only the children in the camp hospital were a little better off—the prisoner nursing and medical staffs tried to provide them with additional blankets, food, clothing, and medicine.
The hardest thing was trying to help the Jewish children who were at risk of selection for the gas chambers.
The extermination of children in Auschwitz and their transfer to other camps, especially in the final stages, ensured that few of them survived until liberation.
The available records indicate that there were at least 700 children and youth prisoners, including about 500 under 15, in Auschwitz when the Soviet soldiers arrived. More than half of these children were Jewish.
The liberated children were badly exhausted. Many of them ended up in the camp hospitals organized by the Soviets and the Polish Red Cross on the grounds of the main camp immediately after liberation.
After examining 180 children aged 6 months to 14 years, a forensic medical commission reported that the majority of them were suffering from diseases acquired in the camp. 60 percent showed vitamin deficiency and overall weakening of the organism, and 40% of them had tuberculosis. All of the children were underweight by 5 to 17 kilograms, despite the fact that the majority of them had been transported to Auschwitz in the second half of 1944, and had spent only a few months there.

in en.auschwitz.org

27.12.12


A Solução Final

It is not known when Hitler formed the intention of the “final solution of the Jewish question” on the scale of the European continent. The conference in Wannsee on January 20, 1942 considered only the details of the undertaking: the methods for organizing the deportation and ensuring the cooperation of the civilian administration. Overall, the plans called for the murder of 11 million Jews living in Germany, the occupied territory, the states opposed to the Third Reich, and the allied and neutral countries.

The first killing center set up in occupied Polish lands was the camp at Chełmno on the Ner; Jews brought in from the ghettos in the Wartheland were being killed there from December 1941. Three more camps, somewhat larger, were opened at Bełżec, Sobibor, and Treblinka (in what was known as “Aktion Reinhard”) somewhat later, between March and July 1942.
In Auschwitz, the murdering of prisoners in gas chambers began even earlier, when 575 sick and disabled prisoners were sent to their deaths at the euthanasia center in Germany at the end of June 1941. At the beginning of September, the SS used Zyklon B gas in the cellars of block 11 to kill about 600 Soviet POWs and another group of patients from the camp hospital. Soviet POWs and Jews brought from Upper Silesia were killed in the gas chamber in crematorium I over the following months. It was probably at the end of March or in April 1942 that the Germans began killing sick prisoners and Jews in a provisional gas chamber in Birkenau (the so-called “little red house”). The tempo of atrocities increased in June and July 1942, with transports of Jews sent to Auschwitz being subjected to systematic “selections” during which SS doctors sentenced people classified as unfit for labor to death.
At the same time, the Germans set about liquidating the ghettos in occupied Poland. July 22, 1942, when the deportation of Jews from Warsaw to the death camp in Treblinka began, is regarded as a symbolic date. A decided majority of the Polish Jews were killed in a little over half a year, after which the SS began liquidating the Aktion Reinhard camps. However, the last great death camp—Auschwitz—remained in existence until the beginning of 1945. It was mainly Jews from Western and Southern Europe, from the liquidated labor camps, and the ghettos in Sosnowiec and Łódź, who died in the gas chambers there.

in en.auschwitz.org

26.12.12







A Grande Marcha

From January 17 to 21, the Germans marched approximately 56 thousand prisoners out of Auschwitz and its sub-camps in evacuation columns mostly heading west, through Upper and Lower Silesia. Two days later, they evacuated 2 thousand prisoners by train from the sub-camps in Świętochłowice and Siemianowice. The main evacuation routes led to Wodzisław Sląski and Gliwice, where the many evacuation columns were merged into rail transports. From the sub-camp in Jaworzno, 3,200 prisoners made one of the longest marches—250 km. to Gross-Rosen Concentration Camp in Lower Silesia.

The evacuation columns were supposed to consist only of healthy people strong enough to march many score kilometers. In practice, however, sick and enfeebled prisoners also volunteered, since they thought, not without reason, that the Germans would kill those who remained behind. Underage prisoners—Jewish and Polish children—set out on the march along with the adults.
Along all the routes, the escorting SS guards shot both the prisoners who tried to escape and those who were too physically exhausted to keep up with their fellow unfortunates. Thousands of corpses of the prisoners who were shot or who died of fatigue or exposure to the cold lined both the routes where they passed on foot or by train. In Upper Silesia alone, about 3 thousand evacuated prisoners died. It is estimated that at least 9 thousand, and more probably 15 thousand Auschwitz prisoners paid with their lives for the evacuation operation. After the war, the travails of the evacuated prisoners came to be known as the “Death Marches.”
One of the few extant Nazi documents referring to the Death Marches is an SS report from March 13, 1945 on the arrival in the Leitmeritz (Litomierzyce) camp in Bohemia of 58 prisoners evacuated from the Auschwitz sub-camp of Hubertushütte, mentioned above. The report states that 144 other prisoners (mostly Jews) “died” (verstorben) en route.
Massacres of prisoners took place in some of the localities along the evacuation routes. At the Leszczyny/Rzędówka train station near Rybnik on the night of January 21/22, 1945, a train carrying about 2.5 thousand prisoners from Gliwice halted. On the afternoon of January 22, the prisoners were ordered to disembark. Some of them were too exhausted to do so. SS men from the escort and local Nazi police fired machine guns through the open doors of the train cars. The Germans then herded the remaining prisoners westward. After they had marched away, more than 300 corpses, of prisoners who had been shot or who had died of exhaustion or exposure, were gathered from the grounds of the station and its surroundings.
Many Polish and Czech residents of localities along or near the evacuation route came forward to help the evacuees. For the most part, they gave them water and food, and also sheltered escapees. People in various localities were honored after the war with the Israel Righteous among the Nations of the World medal for helping escapees survive until liberation.

in en.auschwitz.org

24.12.12



Auschwitz-Birkenau


 A história está repleta de momentos onde culmina o pior do ser humnao. A solução final implementada pelo 3º Reich nazi foi um e infelizmente não foi o último. Foi talvez aquele que abrageu maior número de vitimas e atuou de forma mais sistemática. Como alguém disse: importa por isso aprender, para não repetir os mesmos erros. De volta da minha leitura de Se Isto é um Homem, onde o autor Primo Levi relata a sua experiência como prisioneiro em Auschwitz, tenho aprendido, entre outros, isto:

All over the world, Auschwitz has become a symbol of terror, genocide, and the Holocaust. It was established by Germans in 1940, in the suburbs of Oswiecim, a Polish city that was annexed to the Third Reich by the Nazis. Its name was changed to Auschwitz, which also became the name of Konzentrationslager Auschwitz.
The direct reason for the establishment of the camp was the fact that mass arrests of Poles were increasing beyond the capacity of existing "local" prisons. Initially, Auschwitz was to be one more concentration camp of the type that the Nazis had been setting up since the early 1930s. It functioned in this role throughout its existence, even when, beginning in 1942, it also became the largest of the death camps.
The first and oldest was the so-called "main camp," later also known as "Auschwitz I" (the number of prisoners fluctuated around 15,000, sometimes rising above 20,000), which was established on the grounds and in the buildings of prewar Polish barracks;
The second part was the Birkenau camp (which held over 90,000 prisoners in 1944), also known as "Auschwitz II" This was the largest part of the Auschwitz complex. The Nazis began building it in 1941 on the site of the village of Brzezinka, three kilometers from Oswiecim. The Polish civilian population was evicted and their houses confiscated and demolished. The greater part of the apparatus of mass extermination was built in Birkenau and the majority of the victims were murdered here;
More than 40 sub-camps, exploiting the prisoners as slave laborers, were founded, mainly at various sorts of German industrial plants and farms, between 1942 and 1944. The largest of them was called Buna (Monowitz, with ten thousand prisoners) and was opened by the camp administration in 1942 on the grounds of the Buna-Werke synthetic rubber and fuel plant six kilometers from the Auschwitz camp. On November 1943, the Buna sub-camp became the seat of the commandant of the third part of the camp, Auschwitz III, to which some other Auschwitz sub-camps were subordinated.

In en.auschwitz.org

23.12.12


Palavras #306 a 308

porfiar - v. intr. 1. Altercar; contender; disputar com afinco. 2. Teimar; insistir; rivalizar. v. tr. 3. [Marinha] Guarnecer com fio (um cabo de linho). 4. Coser (cabos ou tralhas) com um fio ou cabo mais delgado.
glotologia - (grego glôtta, -és, língua + -logia) s. f. Estudo científico das línguas. = GLÓTICA
seleiro - s. m. 1. Fabricante ou vendedor de selas, selins e arreios. = CORREEIRO adj. 2. Que se segura bem na sela. 3. Diz-se do cavalo que já foi montado.

21.12.12




Reprodução medicamente assistida: uma proposta de reflexão

Por vezes, as telenovelas servem para mais do que seguir tramas inconsequentes e ocupar alguns minutos diários da nossa vida. Servem também para alertar e questionarmos-nos sobre algumas temáticas, que nem sempre nos estão próximas, sobretudo com o intuito de sensibilização. Um dos temas abordados na novela Fina Estampa, transmitida pela SIC, antes do noticiário das 20h, é o da reprodução medicamente assistida, sobretudo quando tal envolve a doação de material biológico, nomeadamente óvulos e esperma.
Na trama, uma mulher infértil abdica de tudo (carreira e casamento estável) para ser mãe e é inseminada com um óvulo fecundado, sendo óvulo e espermatozóide pertencentes a doadores anónimos. Até aqui tudo bem, e esta mulher tem a sua filha Vitória e sente-se finalmente completa. Mas como estamos numa novela, nada é assim tão simples. Episódios depois, descobre-se a reputadíssima médica responsável pelo procedimento utilizou um óvulo da ex-noiva do seu irmão fertilizado pelo esperma do mesmo, entretanto falecido. Mais alguns episódios depois, a jovem doadora do óvulo descobre a situação e considerando-se mãe biológica da criança quer lutar pela sua posse, o que provoca a fuga (com a criança) da mãe. Neste momento da trama, ainda não há respostas para esta situação, mas há imensas perguntas colocadas pelas várias personagens e que valem pela reflexão que suscitam:
- o que é a maternidade/paternidade? Dar à luz? Criar uma criança, com todas as implicações e desafios inerentes?
- até que ponto estamos empenhados em ser pais?
- serão as normas éticas existentes (que mudam de país para país) suficientes)? Como devem as leis adaptar-se e prever eventuais conflitos?
- será o anonimato dos doadores uma falsa ética de tranquilidade?
- será realmente o sangue a mais forte de todas as ligações?
Vale a pena pensarmos nisto.

20.12.12


Marco Almeida: candidato oficial a Sintra

No passado dia 1 de Dezembro, Marco Almeida (MA) apresentou, na Escola Secundária Gama Barros, a sua candidatura oficial à presidência da Câmara Municipal de Sintra, como independente, nas próximas eleições autárquicas de 2013.
MA é vereador e vice-presidente do município desde o primeiro mandato de Fernando Seara (FS). Agora que este não pode recandidatar-se a Sintra, impunha-se a questão da continuidade e MA nunca escondeu a sua vontade de ocupar o cargo, que, numa lógica de progressão, seria o objetivo seguinte.
Sendo Sintra o segundo maior concelho do país, e dada a sua proximidade geográfica com Lisboa, o factor mediatismo dos candidatos tem já muito peso na escolha dos mesmo. Aliás, foi o factor que valeu a FS desde início e que ele soube (bem ou mal) cultivar, afinal, é mais fácil vê-lo semanalmente a tecer os seus comentários clubistas, com uma projeção nacional, do que em determinados eventos camarários.
Ora, MA não é uma pessoa mediática a nível nacional e FS nunca lhe deu margem para o ser, mesmo nas suas funções camarárias. E essa lacuna fazia prever que não fosse uma escolha partidária, facto que se concretizou com a candidatura oficial partidária de Pedro Pinto. Ciente dessa cisão, MA foi lançando há muito os alicerces para uma eventual candidatura independente, o que acabou por se concretizar. Desta forma, desenvolveu uma plataforma de apoio que tem expressão máxima na associação Viver Sintra, que reúne apoiantes e seguidores, inclusive de diversas plataformas partidárias. Paralelamente, para cimentar a sua visibilidade local, MA tem-se desdobrado e marcado presença nos mais variados certames e atividades nas áreas dos seus pelouros e tem feito uma intensa utilização das redes sociais para promover o seu trabalho.
Agora que a sua candidatura é oficial, , será interessante perceber como irá gerir a sua campanha e o impacto que terá ter apoio partidário ou não. Num período de descontentamento generalizado com o governo e consequentemente o seu partido, será ou não mais benéfico para MA ter o apoio partidário?

19.12.12


Participação cívica

Moro na Agualva, trabalho na Tapada das Mercês, sou voluntária em Rio de Mouro. No eixo destas três freguesias, questiono-me sobre o impacto da(s) minha(s) acção(ões). Onde vivo, o meu impacto é sobretudo económico, pois é lá que faço a quase totalidade das minhas compras domésticas. E de resto? Não frequento manifestações culturais, não me envolvo na sua política nem nas suas iniciativas cívicas. Já o meu trabalho é suposto ter um impacto concelhio, embora nem sempre se consiga essa dimensão. Em termos de voluntariado, o impacto é sobretudo humano e também ele circunscrito. Mas acabo sempre por sentir que é “em casa” que menos contribuo socialmente. Como posso envolver-me num projeto do meu agrado e com algum impacto e/ou importância social?

18.12.12


O ateísmo não é um sistema de crenças. Eu tenho um sistema de crenças que não é baseado no ateísmo, apenas não é baseado na existência de deus. É baseado em valores em que acredito e no facto de vivermos em sociedade e termos de conviver o melhor possível uns com os outros.
Biel Grimalt

16.12.12


Abierto toda la noche, David Trueba


Editado em 1995, este foi o primeiro romance do jornalista e guionista David Trueba, irmão do renomado realizador Fernando Trueba. O romance vai buscar o seu título à citação do autor existencialista norte americano Ambrose Pierce: “Hogar: el lugar de último recurso – abierto toda la noche”. Com esta premissa, ficamos a conhecer a inusitada família Belitre, composta por 8 elementos: os avós paternos (ele devoto a deus, ela à literatura), o casal (em dúvida sobre os seus papéis e importância familiares) e os seus seis filhos (com diferentes idades, personalidades e problemáticas). Com estes cruzam-se ainda duas testemunhas de Jeová, uma nora, um psicólogo experimental, uma prostituta e a jovem Sara, por quem todos os homens da família se enamoram. Tudo isto para nos dar uma imagem única de lar, o lugar de último recurso e aberto toda noite.
É uma leitura interessante e que recomendo. Este livro está em espanhol, pois não sei se castelhano ou outro, mas é perfeitamente compreensível. Está inscrito no Bookcrossing, com o BCID: 909-10448458, e está disponível na Casa da Juventude, Tapada das Mercês. como curiosidade, o seu (ou um dos seus) donos dá pelo nome de João Marques e o livro custou 1.800$. o seu dono ou um dos seus leitores registou nas suas margens várias anotações de vocabulário em alemão.

#106 @ 101 em 1001 – Ler um livro em español
Bookcrossing – BCID: 909-10448458, disponível na Casa da Juventude, Tapada das Mercês

14.12.12


a invenção de deus

Viver uma vida honesta porque é libertador e dignificante e não por medo de uma qualquer sanção (nesta ou noutra existência) deve ser uma aspiração suficiente para o ser humano. Mas o ser humano necessita de ideias de grandeza que sobrevivam à sua finitude e, nesse sentido, a invenção de deus foi a maior invenção humana – e talvez uma das mais dramáticas, pois tornou-o escravo do medo e do escuro final.

Parafraseando Ricky Gervais.

13.12.12


Clube de Leitura do Museu Ferreira de Castro - Calendário 2013

Janeiro, 4 – Se Isto É um Homem, de Primo Levi.
Fevereiro, 1 – O que Diz Molero, de Dinis Machado.
Março, 1 – Orlando, de Virginia Woolf.
Abril, 6 – Os Fragmentos, de Ferreira de Castro.
Maio, 3 – Um, Ninguém e Cem Mil, de Luigi Pirandello.
Junho, 7 – O Malhadinhas, de Aquilino Ribeiro.
Julho, 5 – O Processo, de Franz Kafka.
Setembro, 6 – Contos, de José Régio.
Outubro, 4 – . Os Milagres do Anti-Cristo, de Selma Lagerlöf
Novembro, 1 – A Morte do Rei de Espanha, de Carlos Daniel.
Dezembro, 6 – * a definir

12.12.12

Responsabilidade profissional


No nosso trabalho há tarefas menores e projetos mais arrojados, mas a responsabilidade inerente a todos tem de ser a mesma ou corremos o risco de não merecer a confiança para qualquer um deles. Quando nos comprometemos a realizar um projeto ou tarefa temos de estar preparados para os levar até ao fim, mesmo que este sofra alterações. Se por algum motivo não o concluirmos não pode ser porque nos apetece, mas porque há razões válidas para tal.
Quando as nossa tarefas/funções são públicas, não somos nós, mas a nossa instituição que está em jogo e a sua imagem deve prevalecer e é de acordo com esta imagem e respetiva missão que as decisões são hierarquicamente tomadas. Imagem e hierarquia são dois vetores que não podemos esquecer, nem negligenciar. Por muito que nos custe – enquanto indivíduos e funcionários que dão a cara e que realizam as tarefas – não podemos ultrapassar, a nosso belo prazer, esse dois vetores e deixar, por exemplo, de desempenhar o que nos comprometemos simplesmente porque não nos apetece.

11.12.12

#32 @ 101 e 1001 - dar aulas ou formação (TCE - Jan 2011, Dez 2011, ST - Nov. 2012/... 2013)


Um dos balanços:

Sessões Temáticas nas Escolas
Relatório 1º Trimestre 2012/13

Período de Realização: Novembro e Dezembro de 2012
Nº de sessões: 11
Escolas: 2 (ES Gama Barros e EB 2.3 Escultor Francisco dos Santos)
Turmas: 10 (Áreas: Gestão, Desporto, Acção Educativa, Comércio, Informática e Saúde)
Participações: 209

10.12.12

Reprogramar a nossa vida


Enquanto pais, comunidade, família, indivíduos, estamos num período em que temos de avaliar os nossos gastos e definir prioridades, consoante rendimentos e despesas fixas. Muitas vezes, é fácil criticar gastos aparentemente supérfluos de amigos e conhecidos, mas desconhecemos como gerem o seu dinheiro, qual o seu rendimento exato e a que despesas não podem fugir.
Acontece-me frequentemente ouvir comentários sobre o custo de determinado bem e/ou serviço por parte de pessoas que seu auferirem mais do que eu. Compreendo perfeitamente que se planei os gastos consoante o rendimento disponível e que qualquer alteração ao mesmo implique reajustes e redefinições de gastos e prioridades. Todos nós, independentemente dos valores em causa, temos de o fazer.
Nestas circunstâncias, o que me causa algum incómodo é perceber as diferentes prioridades e perceber também que, de tão imbuídos que estamos com os nossos condicionamentos, que não conseguimos perceber que há pessoas ao nosso redor com mais dificuldades do que nós.
Afirmar que não se pode despender de algo quando se tem filhos num colégio privado, quer dizer que esse alguém ainda tem essa possibilidade e não é o mesmo do que começar a deixar de comprar certos produtos alimentares. Afirmar que algo custa demais e ir regularmente a cabeleireiros e outros tipos de serviços estéticos quer dizer essa é uma prioridade e não outra.
Muitos de nós, ainda estamos a lidar com escolhas de prioridades supérfluas. Muitos de nós ainda não decidem entre pôr comida na mesa e outras despesas. Muitos de nós ainda não fazem escolhas realmente difíceis. Muitos de nós iremos fazê-lo muito em breve. E se calhar, distraídos que estamos com os nossos umbigos, não percebemos que muitos em nosso redor estão já nesse patamar.
O desafio de todos será com certeza sair da nossa caixinha e perceber melhor o que nos rodeia. Saber estender a mão e não recear uma mão que nos apoie.

9.12.12

Escolas tecnológicas

Fruto dos tempos e das atuais necessidades tecnológicas da sociedade, as escolas têm vindo a ser dotadas de equipamento informático variado: computadores e projetores em diversas salas de aula, auditório, bibliotecas com computadores de consulta e trabalho, dvd, entre outros.

Frequentar – hoje – a escola não é o mesmo que há 5, 10 anos. E se temos de preparar crianças e jovens para a nova realidade social, como pode-los também preparar e consciencializar de que há uma vida para além da tecnologia e do virtual?

8.12.12

A sua fuga ia já longa, com dois mares atravessados e mesmo à margem de um terceiro. Nunca imaginara que a terra comportasse tanta água, mas também desconhecia a tanta terra que existia para lá do seu vale deixado no silencio da noite. Mas havia sentido que houvesse água para alimentar tanta terra.

Chegara a esta margem sícula havia duas luas. Era a primeira vez que se quedava tanto tempo num mesmo local. As suas gentes calejadas, olhavam-no desconfiadas, mas nunca o escorraçaram. Era um porto de indesejados e foragidos. Uns ficavam, outros partiam, sem perguntas desnecessárias, nem incómodas.

Em muitas mais luas, esta havia sido a sua primeira noite de descanso. Acoitado a um canto da adega onde trabalhara nos últimos dias a troco de uma noite resguardada e algo para encher o estômago, acordou surpreso já o sol ia alto e aquecia o canto onde se tinha prostrado. Acordou esfomeado e sem sentir a ataxia carateristica de cada despertar durante os últimos e infrenes meses.

7.12.12

Porquê acreditar?

A fé (crença) existe, mas acreditar não significa concretamente que o algo acreditado exista ou seja verdadeiro. Todos acreditamos, até certo ponto das nossas vidas, na magnitude dos nossos pais, para, quando chegados à vida adulta, passarmos do respeito inquestionável ao respeito sincero inerente à verdadeira aceitação da sua condição humana, de virtudes e defeitos, acertos e erros.
Fé diz-nos que temos valores, que podem a té ser diferentes aos de qualquer orientação religiosa. A fé não significa acreditar em seres sobrenaturais, mais do que a própria capacidade humana para encetar e defender esses valores em situações difíceis ou extremas. Acreditar não significa existir mas contribui decididamente para tal. Porque se este mundo existe a sua permanência depende de mim e de todos os demais em meu redor.
Like a Prayer, Win Heldens

5.12.12

Entre o idealismo e o pragmatismo


Qualquer descrição astrológica sobre um geminiano refere que estes são simultaneamente idealistas, mas que rapidamente descem à terra, situação que provoca sentimentos contraditórios e confusos.  Queremos tudo? Sim. Acreditamos que podemos ter tudo? Não. Somos felizes com o que temos? Sim. Queremos mais? Sim. Sonhamos o que não temos? Sentimos-nos incompletos? Sim.
Não sei que outros quês caracterizam os demais signos, e nem sequer me rejo por previsões, mas sinto a cada dia o angustiante dilema da constante insatisfação e culpa da felicidade completa. 

4.12.12

Afinal, são só mais 750

Aqui há uns tempos, entusiasmei-me e comecei, a partir de várias listas de musts, a elaborar uma lista dos meus 1001 livros para ler antes de morrer. Mas agora, resolvi fazer contas à vida e cheguei à conclusão que se tudo correr bem, daqui em diante devo-me ficar pelos 700. Considerando uma média de 25 livros por anos vezes mais 30 anos (pensando que duro até aos setenta), restam-me ler 750 livros. Mas pensando igualmente nesta média, é muito provável que já tenha lido os restantes 251 para perfazer o mítico número. E esta, hein?

3.12.12

O Turista (2010)

Numa visita à europa, um turista Americano conhece uma enigmática mulher e vê-se envolvido numa teia de roubos devido à sua semelhança física com um foragido. Mas quem engana quem? Entretenimento à la Hitchcock, com a morena jolie a lembrar as divas louras do mestre e Depp incomparável num dos seus poucos papéis escassos em caracterização. 

Título original: The Tourist * Realização:  Florian Henckel von Donnersmarck * Argumento: Florian Henckel von Donnersmarck e Christopher McQuarrie * Elenco:  Johnny Depp, Angelina Jolie and Paul Bettany

2.12.12

#24 @ 101 em 1001 - Transformado

Chegados a Dezembro, é tempo de fazer os habituais balanços e que ajudarão a estabelecer metas futuras. Como linha orientadora, nada mais apropriado do seguir os 101 objetivos estabelecidos para cumprir em 1001, cujo período finaliza no início de Janeiro. Desses, o objetivo #24 era: conseguir um trabalho em que me sinta realizada.
Para o atingir, não arranjei um novo trabalho, mas no início do ano propus-me (e ao meu chefe, claro) uma alteração de funções e tarefas. Esta aposta foi cansativa, com alguns desencontros e desentendimentos, mas estou satisfeita com o trabalho realizado, que se traduziu (números não finais) em cerca de 2500 participações de munícipes em atividades.
Embora financeiramente não tenha qualquer compensação extra, sinto que provei (a mim e aos outros) as minhas capacidades e por isso me sinto realizada. Venha agora 2013 e os seus novos desafios.

1.12.12

Que motivação para o ingresso num clube de leitura?


Além do gosto pela leitura e pela conversa, na última sessão do Leituras na Juventude, deparei-me com um participante inesperado, bem como as suas motivações. Este jovem homem, imigrante de um pais africano com estudos e a exercer na área do direito, sente a necessidade de adquirir e desenvolver novas competências linguísticas, sobretudo a nível de vocabulário e de sintaxe. além de gratificante, deu-me igualmente uma nova perspetiva sobre eventuais participações futuras.

Em dezembro,

um encorajamento por dia!